terça-feira, 20 de novembro de 2007

Notas da semana

Há dez anos, morria Michael Hutchence. Meu amor platônico do começo da adolescência. De quando as meninas todas morriam pelos Backstreet Boys ou pelos irmãos Hanson. E eu, preferia roqueiros barbudos. Pro Guia da Semana, fiz um apanhado da enxurrada de notícias que circulam na Europa e Austrália, sobre a briga judicial entre a família Hutchence e Bob Geldof. A história eu conto aqui. E abaixo... uma foto paparazzo, com Michael Hutchence (à esquerda) passando pelo "algoz" na saída da balada. Reparem na cara de Sir Bob Geldof...



Por outro lado, felicidade. É muito bonito e até mesmo revigorante ver um amigo casar. A Lúcia, mãe do lindo Joaquim, encontrou alguém pra compartilhar a vida. E acabou por se tornar a primeira associada do clã Caspervas Inc. a abandonar a gandaia solteira. Mas a cadeira cativa é dela e ninguém tira! FELICIDADES! E saudações ao ET de Varginha! (Na foto da caravana paulistana, tá faltando a Ritex).

2 comentários:

descompassada disse...

Meu amor platônico do começo da adolescência era o David Bowie. Te entendo perfeitamente. Quanto ao Hutchence, estou devendo a história dos cartões-postais do Nick Cave. Aguarde... Ver uma amiga casar, é lindo, porém assustador. Tá, é lindo... para as pessoas não acharem que não tenho coração. Beijos!

Helio Sales Jr. disse...

Meu amor platônico de adolescência era a Gal Costa (na capa de Gal-Fatal). Peraí, não, esse foi meu amor de infância mesmo. Na adolescência meu leque era mais amplo, minhas paixões foram... deixa pra lá, vai...

E a melhor parte de todo e qualquer casamento: O BUFFET! Docinho, salgadinho, entrada, prato principal, birita... ai, coisa linda!
:D