domingo, 6 de maio de 2007

De noite

"Agora estou morrendo, mas ainda tenho muita coisa para dizer. Estava em paz comigo mesmo. Mudo e em paz. Mas de repente surgiram as coisas. Aquele jovem envelhecido é o culpado. Eu estava em paz. Agora não estou em paz. É preciso esclarecer alguns pontos. Por isso, vou me apoiar no cotovelo e levantar a cabeça, minha nobre e trêmula cabeça, e buscarei no cantinho das reminiscências aqueles atos que me justificam e, poertanto, desdizem as infâmias que o jovem envelhecido espalhou para meu descrédito numa só noite relampejante".

Parágrafo inicial de "Noturno do Chile", de Roberto Bolaño.

2 comentários:

Anônimo disse...

If God has a masterplan
That only he understands
I hope it's your eyes he's seeing through.

Descompassada disse...

bolaño deve ser uma experiência maravilhosa.